quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Entrevista exclusiva ao cavaleiro radicado na Califórnia (Estados Unidos), Paulo Jorge Ferreira.


 Paulo Jorge Ferreira pela terceira vez falou em exclusivo ao blog tauromáquico "Quiebros e Chicuelinas".



 Paulo Jorge Ferreira  montando o cavalo com ferro de Pablo Hermoso de Mendoza de nome "Xerez", toureio de verdade é aquele que o cavaleiro azambujense sente e expõe nas suas actuações como fica patente nesta imagem.


 Paulo Jorge Ferreira aqui montando o cavalo "Capote", ao qual deposita enormes esperanças nesta novas e futuras temporadas.

O blog tauromáquico Quiebros e Chicuelinas pelo terceiro ano desde que se iniciou este projecto, falou também pela terceira vez com o cavaleiro azambujense Paulo Jorge Ferreira que desde a alguns anos está radicado na California, trabalhando na "Coudelaria Martins" sendo também o líder do escalafón na California (Estados Unidos), actuando nalgumas corridas de toiros.

Entrevista: Bruno Paparrola.
Fotos: D.R. (Paulo Jorge Ferreira).


Quiebros e Chicuelinas - Que balanço faz da sua temporada de 2012 por terras californianas?

Paulo Jorge Ferreira - O balanço da temporada de 2012 acho que foi positiva, pois voltei a ser o toureiro que mais toureou na temporada aqui (Califórnia), estive presente nas principais corridas e feiras. Senti-me bem com as minhas actuações mas só a critica local poderá ter uma ideia mais profunda acerca das minhas actuações.


Q.C.- Quais as corridas que o mais marcaram na temporada passada?

P.J.F.- As corridas que mais me marcaram pois foram realmente todas, pois entro em todas as corridas com ambição, respeito pelos meus colegas e pelos toiros, por isso não tenho corridas que marcaram mais ou menos, porque para mim têm todas a mesma importância que é muitissíma. Dou o máximo e a vontade de triunfar é igual em todas as corridas em que toureio.

Q.C.- Que cavalos na sua opinião se destacaram na temporada transacta?

P.J.F.- Graças a Deus tenho uma quadra bastante ampla e com cavalos de muita qualidade, mas na temporada passada tive um cavalo que toureou num nível bastante elevado, tem o ferro do Pablo Hermoso de Mendoza e é filho do "Gallo" (um dos cavalos estrela do rejoneador navarro na década de 90), e que tem o nome de "Xerez".
É um cavalo com "sitío", muito bonito e interessante, chega muito à cara dos toiros com uma expressiva batida ao piton contrário, tem sido um cavalo bastante importante na minha quadra.


Q.C.- No ano que fez 10 anos de alternativa achava-se que viria a Portugal para fazer uma série de corridas de forma a assinalar os 10 de alternativa. Alguém chegou a falar consigo para o seu regresso a Portugal para assinalar uma década de alternativa?


P.F.J.- Sim, é verdade já la vão 10 anos e parece que foi ontem. Houve conversas para essa possibilidade de ir a Portugal comemorar os meus 10 de alternativa, mas preferi ficar por aqui pois foi aqui que me acolheram quando estava quase parado em Portugal, foi aqui que renasci para o toureio e as pessoas aqui acarinham-me e ir comemorar a Portugal e não comemorar cá não era justo, pois achei melhor ficar por cá.
Aproveito também este momento para agradecer aos meus colegas: Rui Salvador, Filipe Gonçaves e Gilberto Filipe, que assim que souberam que podia surgir a possibilidade de ir a Portugal comemorar os meus 10 a de alternativa, puseram as suas quadras de cavalos à minha disposição para o que precisa-se.
Agradeço-lhos do coração pois são três pessoas de muito carácter e com muito nível.


Q.C.- Para quando o seu regresso a Portugal? Ainda sonha em fazer uma grande carreira como cavaleiro tauromáquico em Portugal ou neste momento não pensa nessa hipótese para já?


P.J.F.- No regresso a Portugal penso nisso muitas vezes pois é o meu país e onde está a minha familía. Fazer uma grande carreira em Portugal não muito nisso, sou consciente e não ando na vida à deriva, as coisas estão muito dificeís em Portugal e eu estou muito bem aqui na Califórnia, e quando estamos bem não há que mudar nada e eu não vou mudar nada.
Não penso em ser figura do toureio, nem em ser melhor que os outros, sempre pedi a Deus que me deixasse fazer vida daquilo que mais gosto de fazer que é tourear. Graças a Deus posso-me orgulhar que Ele me tem ajudado bastante e hoje tenho uma vida que nunca pensei que poderia vir a ter, trouxe-me a sitíos que nunca pensei conhecer ou estar em dia. Tem sido uma experiência que jamais poderia sonhar, estou numa casa fantástica ("Coudelaria Martins"), onde me tratam como um filho por isso é como estivesse em casa.
Portugal um dia sim, mas para breve não.



Q.C.- O que lhe faltou para se afirmar como figura do toureio em Portugal na altura em que tirou a alternativa, visto que o Paulo foi apontado como uma das maiores promessas do toureio a cavalo nacional?

P.J.F.-Isso é uma boa pergunta mas que não é fácil de responder. Sabe que em Portugal a já vários anos não toureia quem triunfa ou quem merece tourear, já no meu tempo haviam toureiros que tinham apoderados que tinham praças em seu poder e faziam trocas uns com os outros, andassem bem ou mal as trocas tinham que ser feitas, eu a única coisa que poderia dar era o meu valor e nada mais.
Ainda hoje é assim há cavaleiros em Portugal que ainda não começaram a temporada isto é, chegam a Janeiro ou Fevereiro e já têm 30 ou 40 corridas contratadas, quer dizer que andem bem ou mal eles já sabem o que podem contar no fim do ano, o que não e certo.
Oxalá isso mude um dia.



Q.C.- Que podem esperar os aficionados californianos e emigrantes portugueses que vivem e que gostam da Festa dos Toiros nos locais onde se realizam corridas de toiros nos Estados Unidos, da próxima temporada do Paulo?


P.J.F.- O que os aficionados podem esperar do Paulo é muito trabalho, muita dedicação e muita vontade de triunfar, oxalá consiga manter o nível da "Coudelaria Martins" como tem vindo a ser costume e que possa traduzir dentro da praça a qualidade desta coudelaria.


Q.C.-Irá fazer debutar cavalos novos? Ou irá apostar nos cavalos de temporadas anteriores para “atacar” esta nova temporada?

P.J.F.- Sabe desde há 4 anos para cá que todos os anos tenho estreado um cavalo diferente. Este ano estou muito ansioso para estrear um cavalo do ferro da casa "Coudelaria Martins" que se chama "Capote" neto do "Impossível", que tem umas qualidades raras para o toureio a cavalo. 
Para "atacar" a temporada estão os cavalos da temporada passada com mais este "Capote", que penso que vai ser uma grande novidade e mais um cavalo com ferro mexicano de Félix Cantú, vamos ver se os toiros ajudam para que se possa realizar tudo isto.


Paulo Jorge Ferreira -  "Quero agradecer ao Quiebros e Chicuelinas por se ter lembrado de mim e dar os parabéns pelo grande trabalho que realizam na divulgação da Festa Brava".







1 comentário:

  1. Parabens meu caro amigo Paulo Jorge és e serás sempre um "gigante" nas praças, que tudo corra pelo melhor na nova temporada,um abraço. Jorge Vale do Paraíso- Azambuja

    ResponderEliminar